O Banco Interatlântico, grupo Caixa Geral de Depósitos, aprovou uma oferta pública de subscrição (OPS) de 100 mil obrigações entre 16 de Junho e 04 de Julho, anunciou a Bolsa de Valores de Cabo Verde.

Cada obrigação tem o valor de 5.000 escudos cabo-verdianos (45,3 euros), perfazendo um montante máximo de 500 milhões de escudos (4,5 milhões de euros).

"O empréstimo Obrigacionista pagará juros a taxa variável e igual à Euribor a seis meses mais um spread de 0.9 por cento que, aos níveis de hoje, corresponde a uma super taxa de 6.02 por cento", diz a Bolsa de Valores, em comunicado.

O Banco salienta que "a actual conjuntura socio-económica de Cabo Verde está marcada por uma forte dinâmica de crescimento", graças, nomeadamente, à procura do arquipélago como destino turístico, e que "a sofisticação do mercado" e os "avultados investimentos previstos e em curso" requerem "uma visão estratégica na gestão bancária".

"A decisão da emissão de obrigações consubstancia-se na necessidade de equilibrar os recursos de curto prazo com recursos financeiros de longo prazo (...), que permitem um maior dinamismo comercial do Banco", justifica a ent
idade.

A OPS está aberta a todos os investidores, que podem dirigir-se a qualquer dependência bancária (do Banco Comercial do Atlântico, Banco Interatlântico ou Caixa Económica de Cabo Verde), sendo que emigrantes e não residentes terão de preencher um formulário disponível na página da Bolsa de Valores (www.bvc.cv), que terão de enviar depois, por fax, ao seu respectivo banco.

O Banco Interatlântico encerrou o exercício de 2007 com um balanço positivo de 19,1 por cento, acima do crescimento económico do país e superior à média do sistema bancário, cerca de 5,5 por cento, diz o banco.

Os resultados positivos, segundo o relatório de contas do ano passado, têm mais importância por o Banco Interatlântico ter uma pequena rede física, quando comparada com a concorrência, já que apenas está presente em três das nove ilhas cabo-verdianas.

Para reforçar a presença em África, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) inaugurou em Fevereiro de 1998 uma sucursal em Cabo Verde, para aproveitar as potencialidades de uma economia em desenvolvimento.

Em Julho do ano seguinte, a CGD transformou a sucursal no Banco Interatlântico, por integração dos activos e passivos, passando o grupo português a deter 70 por cento do capital social do Banco, sendo os restantes 30 por cento repartidos por empresários e empresas locais.

O Banco tem balcões nas ilhas de Santiago, São Vicente e Sal.
Pana