O Fundo de Investimento e Património Abastecimento de Água (Fipag) de Moçambique pretende expandir o sistema de abastecimento de água na região da capital a fim de abranger tanto Maputo como a vizinha cidade da Matola e o distrito de Boane.

Este projecto custa cerca de 140 milhões de dólares (95 milhões de euros) a serem garantidos pelo Banco Europeu de Investimentos, governo holandês, União Europeia e a agência francesa de apoio ao desenvolvimento.

A AIM adianta que o governo de Moçambique vai contribuir com 13 por cento.

Ao anunciar sábado o projecto, o presidente d
o Fipag, Nelson Beete, disse que os estudos estão na fase final devendo os concurso públicos ser lançados ainda este ano para que os trabalhos possam ter início em 2009.

O projecto inclui o alargamento da estação de tratamento de água no rio Umbeluzi para 10 mil metros cúbicos por hora ao invés dos actuais 6 mil metros cúbicos bem como a colocação de nova tubagem entre Umbeluzi e a Matola.

Vão ser construídos três centros de distribuição de água e, quando concluídos os trabalhos, a rede terá 500 quilómetros de condutas.

A maior parte das condutas está obsoleta e 60 por cento da água recolhida do rio nunca chega às torneiras dos clientes, pretendendo Nelson Beete reduzir estas perdas para 40 por cento.
macauhub