As exportações de Cabo Verde aumentaram no ano passado 71,9 por cento, em relação a 2007, anunciou segunda-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE) do arquipélago.

O pescado, vestuário e calçado continuam a ser os principais produtos da exportação cabo-verdiana, com o primeiro produto a triplicar, de 2007 para 2008, o montante global, constituindo actualmente 61 por cento do total.

No sentido oposto, o vestuário e o calçado tiveram evoluções negativas, diminuindo, respectivamente, 8 por cento e 12,4 por cento em relação a 2007.

Por zonas económicas e principais países, o continente europeu continua a ser o maior parceiro de Cabo Verde, tendo reforçado a sua posição em termos de importância, passando de 79,2 por cento em 2007 para 88,5 por cento em 2008.

No mesmo período, as exportações para a Europa cresceram 92,1 por cento, com Portugal a continuar como maior destino, com 48,9 por cento do total dos bens destinados ao continente europeu.

Quanto aos continentes americano e asiático, os dados do INE esclarecem que as exportações cabo-verdianas “caíram drasticamente” em 2008, com reflexos
directos na respectiva estrutura de repartição”.

Em 2007, os dois mercados representavam 5,3 e 7,7 por cento do total das exportações e, em 2008, ambos se situaram em apenas 0,3 por cento, com o destino americano a diminuir 89 por cento e o asiático 92,1 por cento.

Para o continente africano, as exportações em 2008 situaram-se em 8,7 por cento do total (7,9 por cento em 2007).

Por sua vez, as importações feitas por Cabo Verde sofreram um crescimento de 3,4 por cento em 2008 relativamente ao ano anterior.

A Europa mantém-se como a principal zona de proveniência de mercadorias importadas por Cabo Verde, tendo o seu peso relativo subido de 79,6 por cento em 2007 para 80,6 por cento no ano passado.

As importações da Europa cresceram 4,7 por cento em 2008, com uma contribuição para a variação global de 109,3 por cento.

Portugal, Países Baixos, Espanha, Brasil, Japão, Alemanha e França foram os principais parceiros comerciais de Cabo Verde, sendo responsáveis por 80,8 por cento o total de importações em 2008, contra 77,6 por cento em 2007.

Os dados provisórios do comércio externo, apurados pelo INE revelam que o défice da balança comercial de Cabo Verde sofreu, no período em análise, um agravamento de 1,6 por cento.

Contudo, a Taxa de Cobertura das importações, que em 2007 foi de apenas 2,4 por cento, melhorou em 2008, subindo para 4,3 por cento.
Pana