O sonho de longa data duma moeda única para a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) pode tornar-se numa realidade em 2020, segundo uma estratégia global de adopção da moeda única.

O roteiro para o Programa duma moeda única para a CEDEAO foi aprovado e adoptado segunda-feira no termo da 24ª reunião do Conselho de Convergência dos Ministros e Governadores da Zona Monetária Oeste- Africana (ZMAO) que agrupa cinco dos 15 países-membros da CEDEAO.

Assim, a União Monetária da CEDEAO será lançada em 2020 com a criação do Banco Central da CEDEAO e a colocação em circulação da moeda única, alguns anos após a criação da União Monetária da ZMAO.

A ZMAO, integrada pela Gâmbia, pelo Gana, pela Guiné-Conakry, pela Nigéria e pela Serra Leoa, pretende lançar a sua União Monetária em 2015, ou antes, com a instalação também do seu Banco Central e a introdução da sua moeda comum, o ECO.

Os Estados-membros da ZMAO rubricaram este plano de adopção duma moeda única em 2000, na sequência da Declaração de Accra e do Acordo de Bamako de 2000.

No entanto, invocando a necessidade de se apoiar em fundamentos sólidos para uma união monetária duradoura, os países membros adiaram duas vezes a data de coloca&cc
edil;ão em circulação da moeda única na ZMAO, que tinha uma população de 190 milhões de habitantes e um Produto Interno Bruto (PIB) per capita de 375 dólares americanos em 2008.

O lançamento da ZMAO vai completar assim o da União Económica e Monetária Oeste-Africana (UEMOA), que agrupa oito Estados da África Ocidental que têm em comum o franco CFA.

A UEMOA, criada em 1994, possui como membros o Benin, o Burkina Faso, a Côte d'Ivoire, o Mali, o Níger, o Senegal, o Togo e a Guiné-Bissau.

Dois países membros da CEDEAO, designadamente a Libéria e Cabo Verde, não são actualmente membros de nenhuma das duas uniões monetárias.

Entretanto, o Conselho de Convergência instou estes países a juntar-se a, pelo menos, uma das zonas monetárias oeste-africanas e ao Programa de Cooperação Monetária da CEDEAO para a realização da iniciativa da moeda única.

A reunião instruiu a Comissão da CEDEAO "para manter a sua colaboração com as outras instituições regionais e os Estados membros envolvidos no Programa de Cooperação Monetária da CEDEAO para garantir a aplicação efectiva e em tempo oportuno do roteiro para o Programa da moeda única" e para "se apropriar" melhor da iniciativa da moeda única.

O Conselho de Convergência convidou os Estados membros a manter as políticas fiscais e monetárias apropriadas e a aplicação rigorosa das políticas estruturais e institucionais no quadro do Mecanismo de Controlo Multilateral, a fim de instalar uma convergência e uma união monetária duradouras.
Pana