Um estudo realizado pelo Ministério da Família e Promoção da Mulher (Minfamu) revela que a participação feminina no poder e na tomada de decisão em Angola é reduzida.

 

Dados preliminares deste estudo, apresentado hoje na Conferência sobre as Mulheres e as Eleições aberto em Luanda, sob a égide do Minfamu, refere que, dos 220 deputados da Assembleia Nacional, apenas 28 são mulheres, contra as 37 que existiam em 1997.

 

No Governo, a participação da mulher é ainda mais reduzida, já que há apenas duas ministras num universo de trinta governantes masculinos e doze vice-ministras contra 51 vice-ministros.

 

Em termos de governadores provinciais, o estudo destaca o facto de não haver nenhuma mulher a desempenhar este cargo, estando somente quatro como vice-governadoras.

 

"Nos partidos políticos, a participação ainda é inferior, não obstante a um certo aumento no Mpla, na Unita e no PRD, que recentemente aumentaram o número de mulheres nos órgãos decisórios, após os últimos congressos. Nos demais partidos, esta questão é ainda um mero discurso", lê-se no documento.

 

A vice-presidente do Grupo Regional de Mulheres do Fórum Parlamentar da SADC, Lilian Patel, revelou que os únicos países

da SADC que alcançaram a cifra de trinta porcentos de mulheres em cargos de direcção são a África do Sul, Moçambique e Tanzânia. Angola alcançou somente cerca de doze porcentos.

 

A pesquisa efectuada pelo Minfamu refere ainda que nos partidos políticos as mulheres são consideradas um risco, porque podem não conseguir votos nas eleições, o demonstra que a posição da mulher permanece desigual em relação ao homem tanto no trabalho, em casa e no Governo.

 

As mulheres continuam a enfrentar obstáculos para participar nos governos centrais e provinciais, havendo algumas nomeações a nível da administração local.

 

Segundo o documento, havendo em breve eleições legislativas, a Lei dos Partidos Políticos constitui uma oportunidade soberana para o aumento de mulheres no Parlamento e nos órgãos de soberania do país.

 

A Conferência sobre a Participação da Mulher nas Eleições decorre até sexta-feira, no Palácio dos Congressos.

 

Participam na conferência membros do Governo, representantes de organizações femininas de partidos políticos, Organizações Não Governamentais, de igrejas, responsáveis do Ministério da Família e Promoção da Mulher, entre outros.

 

Entretanto, o primeiro-ministro, Fernando da Piedade Dias dos Santos, assegurou que o Governo continuará a envidar esforços para o alcance de 30 porcento da representatividade de mulheres em cargos decisórios em Angola.
angop